Economia

E o ouro, como fica?


Quando a economia entra em crise, como a atual que estamos vivendo, os investidores tendem a fugir do risco e buscam um porto seguro para colocar parte dos seus investimentos

Quando a economia entra em crise, como a atual que estamos vivendo, os investidores tendem a fugir do risco e buscam um porto seguro para colocar parte dos seus investimentos. E sempre que o ouro parece que está subindo, há uma corrida para comprar, esperando que ele continue a subir. No entanto, antes de decidir comprar ouro imediatamente, é uma boa ideia dar um passo atrás. O ouro é um ativo como qualquer outro - pode subir ou cair devido ao momento de mercado. Embora o ouro tenha uma longa história como dinheiro, isso não significa que é a melhor escolha para seu portfólio. Dito isto, existem algumas boas razões para incluir ouro em seu portfólio, mas nem tanto.

Por que as pessoas gostam tanto de ouro?  

Parte da explicação vem de sua história. Em muitos casos, isso tem a ver com a idéia de que o ouro é, bem, ouro. É valioso há milhares de anos. Ao contrário de muito do nosso dinheiro hoje, que acessamos via cartão ou fazendo transferências, é possível tocar em ouro.

É fácil olhar para o ouro e ver o valor tangível. Porém, lembre-se de que o preço do ouro sobe e desce como outros ativos. Os movimentos de preços nem sempre são baseados em algum tipo de valor intrínseco. A percepção de como os mercados estão indo, a força das moedas (principalmente o dólar americano) e outros fatores influenciam o valor do ouro. 

Proteção contra a Inflação 

Uma das maiores razões para incluir ouro em seu portfólio é proteger-se contra a inflação. Como veículo de armazenamento de valor, o ouro conseguiu se sair muito bem ao longo do tempo. A inflação pode corroer o poder de compra da moeda (já falamos sobre isso aqui), mas o ouro pode ajudá-lo a se proteger contra essa perda de valor. Por isso, mesmo quando o ouro não está subindo rapidamente, ainda é considerado uma maneira bastante decente de não perder a inflação. 

Diversidade de ativos em seu portfólio  

Se você não acha que renda fixa e ações oferecem diversidade suficiente, adicionar um pouco de ouro pode ajudá-lo a se sentir mais confortável. O ouro geralmente se move oposto ao mercado de ações. Portanto, se o mercado de ações cair, o ouro geralmente subirá (ênfase no geralmente). Se você deseja adicionar algum equilíbrio ao seu portfólio, o ouro pode ser uma maneira de fazê-lo, diversificando seus ativos de maneira a protegê-lo parcialmente de um evento no mercado. 

Quanto de ouro você deve ter em seus investimentos? 

Seu portfólio deve ser estruturado de forma a ajudá-lo a alcançar seus objetivos de longo prazo. O ouro pode ter um lugar. No entanto, muitos especialistas alertam que você deve ter cuidado com a quantidade de ouro a incluir em seu portfólio. Uma regra prática é limitar o ouro a não mais que 2,5% a 5% do seu portfólio. Dependendo da sua situação e da sua tolerância ao risco, você pode se sentir mais confortável com uma parcela maior ou menor de ouro em seu portfólio de investimentos. 

Ouro não gera riqueza 

Diferente de investir em uma ação em que a empresa produz, gera receita e te paga lucros, ouro é apenas ouro. Warren Buffett há muito tempo defende que investir em ouro é "estúpido". Ele disse em 2009: "A única coisa que posso dizer é que o ouro não fará nada entre agora e depois, exceto olhar para você. Considerando que, a Coca-Cola estará ganhando dinheiro, e acho que a Wells Fargo estará ganhando muito dinheiro - é muito melhor ter um ganso que continua botando ovos do que um ganso que fica sentado..."

Portanto, tenha apenas uma pequena parte do seu portfólio de investimentos em ouro em prol da diversificação. No final, o ouro pode ser uma boa adição ao seu portfólio - desde que você saiba porquê o incluiu e por qual motivo isso ajuda a alcançar seus objetivos financeiros a longo prazo.

*Eliseu Hernandez D'Oliveira é assessor de investimento da Blue Trade, formado em economia pelo Instituto Insper e mestre em economia pela Universidade de Brasília

Compartilhe esse artigo: