Fundos

O que são FIPs?


Os fundos de investimentos (FIPs) em participações podem soar como um instrumento de investimentos estranho para os investidores em geral, mas é um veículo de alocação bem conhecido entre os investidores institucionais. 

Os FIPs são uma classe de investimentos alternativos, que participam de investimentos não tradicionais, como imóveis, infraestrutura e capital privado. Este tipo de veículo também é comumente conhecido como private equity

Como funcionam?

Basicamente, os FIPs compram uma participação relevante em uma ou mais empresas, empreendimentos e projetos, para que possam participar ativamente do planejamento e execução das atividades operacionais destes investimentos. 

Usemos como exemplo um FIP que compra participações em empresas privadas. Ao contrário dos fundos de ações, que compram participações em empresas negociadas na bolsa de valores e geralmente detêm participações pequenas nestas empresas, o FIP compra uma participação relevante, capaz de torná-lo parte do bloco de controle dessas empresas. 

Ao fazer parte do grupo controlador, o fundo então terá poder de decisão na empresa e poderá indicar membros para a diretoria executiva, como CEO, diretor financeiro e diretor de operações, por exemplo. 

Desta forma, o fundo consegue mudar os rumos da empresa que investe, melhorando a operação da mesma a fim de gerar mais lucro para a companhia. Ao gerar mais lucro, a empresa distribuirá seu lucro para seus acionistas. O fundo como um grande acionista da empresa terá uma boa parte deste lucro distribuído. Após isso, dividirá seus rendimentos entre seus cotistas.

Note que mesmo que a empresa seja de capital fechado, ela têm ações. A única diferença é que essas ações não são negociadas em bolsa de valores e geralmente estão nas mãos de poucos controladores. Por isso dizemos que um FIP é acionista da empresa. 

Tipos de FIPs

Os fundos de participações são classificados em quatro tipos: 

  • FIP - Capital Semente: Essa classe investe em empresas que tenham faturamento anual de até R$16 milhões. 
  • FIP - Empresas Emergente: Essa classe pode investir em empresas que tenham faturamento anual de até R$300 milhões. 
  • FIP - IE / FIP - PD&I: Essa classe é destinada a fundos que invistam em projetos de infraestrutura ou pesquisa, desenvolvimento e inovação no setores de energia, água e saneamento básico, transporte etc.
  • FIP - Multiestratégia: Essa classe se destina a fundos que não se enquadram em nenhuma das classes descritas acima. 

Período de investimentos

Os fundos de investimentos em participações são, por natureza, de longo prazo. Isso porque a participação na gestão de empreendimentos, com a execução de mudanças e com novos projetos, pode demorar a demonstrar resultados.  

O impacto das mudanças operacionais que existem nas empresas obedece a ciclos empresariais, os quais são bem longos, podendo chegar a até 10 anos. Desta forma, o investidor até pode vender sua participação no fundos em um curto espaço de tempo, uma vez que as cotas dos FIPs são negociadas em bolsa. No entanto, o investidor não deve participar deste modelo de investimentos se não estiver apto a esperar para que os frutos da boa gestão apareçam. 

A cota do fundo sendo negociada em bolsa de valores pode assustar, mas o preço da cota não deve oscilar muito e o investidor não deve se prender a isso. O mindset neste caso deve estar nas operações das empresas investidas pelo fundo. 

Desinvestimento

Os FIPs geralmente compram participações em empresas e projetos ainda em sua fase inicial, com muitas mudanças a serem feitas e muitas estratégias a serem desenvolvidas. Após fazer todo este trabalho, é comum que os FIPs vendam uma parte ou a totalidade de suas participações nas empresas.

Após o desinvestimento, o fundo pode distribuir o dinheiro a seus cotistas ou então partir para um novo ciclo de investimentos, onde tentará encontrar novamente boas oportunidades de investimentos a longo prazo. 

A venda da participação do fundo nas companhias pode ser feita de forma direta para um comprador interessado ou então pode ser feita via IPO, vendendo a sua parte da empresa na bolsa de valores, tornando a empresa uma companhia de capital aberto.

Vantagens de se investir nos FIPs

No atual ciclo econômico brasileiro, com taxas de juros estruturalmente baixas e historicamente nas mínimas, passa a ser cada vez mais necessário o investimento em ativos reais, como participações em imóveis, empresas e projetos de infraestrutura. 

A primeira grande vantagem desta modalidade de investimentos é que no caso dos ativos reais, eles geram mais resultados com um ambiente de juros baixos. Os projetos ficam mais viáveis, as empresas têm mais aptidão para investir em expansão de parques fabris e o mercado imobiliário fica mais aquecido. Tudo isso em um ciclo virtuoso que é retroalimentado pelas relações econômicas. 

Assim sendo, a expectativa de retorno de ações e participações em geral são maiores em tempos de juros baixos. Como o cenário deve permanecer assim por um bom tempo, o investimentos nos FIPs se mostram uma ótima forma de capturar mais retorno. 

Uma outra grande vantagem é que nos casos dos FIPs de Infraestrutura, os cotistas contam com um incentivo do governo, que não tributa as pessoas físicas no recebimento de dividendos e nem no ganho de capital no caso de venda da cota. 

Vale dizer que o investidor geralmente recebe proventos regularmente nos FIPs e como eles não são tributados no caso dos FIP - IE, todo o rendimento chega líquido ao cotista. O cotista pessoa física também não precisa pagar IR caso venda as suas cotas na bolsa de valores.

Por fim, os fundos de participações são conhecidos por fazer investimentos em empresas e setores que ainda estão em seus estágios iniciais, precisando de bastante desenvolvimento. Isto faz com que os retornos possam ser bem maiores, uma vez que os rendimentos demorarão mais tempo para amadurecerem, mas por conta do forte trabalho de gestão, são melhores.

Compartilhe esse artigo: